Curiosidades

A engenharia holística privilegia a contextualização, em detrimento da linha analítica; a generalidade, ao invés da especialização.

Saiba como a engenharia holística pode ajudar o seu negócio. Clique aqui.

Planck's constant é a constante de Planck.

O nome de nossa empresa se deve à grande admiração pelo homem e físico Max Planck.

No final do século XIX, Planck apresentou a teoria sobre a Lei da Distribuição de Energia (do espectro normal), que marca o início da mecânica quântica. A sua descoberta de que a luz se propaga em pacotinhos de energia (ou quantas), ao invés de fazê-lo em um fluxo contínuo (ondas) nos permitiu ir além da física de Newton.

Ao propor sua teoria, Max Planck observa que os tais "pacotinhos de energia" oscilam harmonicamente e mais, cada um destes átomos radiantes tem uma frequência própria de oscilação. Daí, concluiu que a quantidade de energia absorvida ou emitida, é sempre proporcional à frequência dos átomos.

Desde o início Planck questinou-se, pois não tinha certeza se sua constante era uma realidade física ou um artifício matemático. A pressão auto-imposta de contestar Isaac Newton o fez debater-se sobre o dilema durante dois anos; pois se ele estivesse certo, a física clássica estaria errada. Finalmente, no dia 14 de dezembro de 1900 Planck apresentou sua tese à comunidade científica, lançando a pedra fundamental da mecânica quântica.

Em tempo: Planck's constant = 6,6256x10-34J.s

A DTUcoin é uma moeda complementar baseada na redução efetiva do impacto ambiental causado pelo ser humano. DTU é a sigla em inglês para Unidades Negociáveis de Deseconomia. As DTUcoins podem ser negociadas ou utilizadas como meio de pagamento (ecomoedas ou moedas verdes) nos estabelecimentos comerciais aprovados pelo sistema ZerO2Nature. As DTUcoins também podem ser utilizadas por empresas para neutralizar impactos ambientais causados por seus processos produtivos.

A Economia se define com a criação da agricultura.  Até ali, os caçadores-coletores viviam mais ou menos a mesma situação, caçando a comida do dia e usando as peles dos animais para vestuário.  O escambo era o meio natural de suprimento de necessidades.  Com o surgimento da agricultura, as coisas começam a mudar.  Quem plantava trigo não usava toda a colheita para fazer pão e os grãos que sobram duram certo tempo e podem ser trocados não imediatamente, mas em um futuro próximo.  Aí começa o acúmulo de riqueza.  Os grãos que sobram não são tão fáceis de transportar e alguém tem a idéia de depositar estes grãos todos em um mesmo armazém, dando um recibo ao dono e cobrando uma pequena taxa para garantir a vigilância dos mesmos.  Com o tempo, o dono da terra não precisa retirar parte dos grãos a cada vez que deseja trocá-los por outra mercadoria, trocando apenas recibos.  A comodidade desta situação levou o dono da terra a expandir sua plantação e, para tanto, contratou mão de obra.  Ao perceber que a simples posse da terra lhe facilitava imensamente a vida, o foco do agora senhor passa a ser a extensão de seu patrimônio.  Concentrando-se nisso, não tem mais tempo para as tarefas diárias e precisa de serviçais que lhe garantam a comida, as roupas, o plantio de suas terras.  Agora, os coletores-caçadores passam a desempenhar novas funções e surgem então as profissões.  Também aí uns desempenham funções melhores que outros e o alfaiate começa a acumular recibos dos grãos que o senhor da terra tem depositado no armazém.


Mas ainda que durem certo tempo, os grãos acabam apodrecendo e é preciso substituí-los por algo mais duradouro.  Evidentemente, a comida sempre foi um dos produtos mais procurados, especialmente a carne.  Mas sem refrigeração, a carne apodrece e a alternativa é salgá-la.  Para caracterizar ainda melhor sua posição de moeda, a extração do sal exige investimentos e mão de obra especializada; ou seja, é relativamente escasso e muito procurado.  Está caracterizada sua função monetária.  Mas ainda não é ideal.  A utilização de metais na fabricação de moedas caracterizou –definitivamente- nossa apreensão de dinheiro.


No início, a moeda representava exatamente seu valor e o cobre foi o primeiro metal usado em sua cunhagem.  Por conta das desigualdades que surgem naturalmente na Economia, com o rico cada vez mais rico e o pobre cada vez mais pobre, há que se estabelecer regras para o jogo e estas regras foram estabelecidas pela primeira vez, por Sólon1, na Atenas de 600a.C..  Na época, os pobres queriam o perdão de suas dívidas e um pedaço de terra, onde pudessem recomeçar.  Mas isso significava prejuízo dos ricos, o que também não era a solução ideal.  Assim, Sólon resolveu usar o dinheiro público para pagar a dívida dos pobres.  O problema, é que não havia dinheiro suficiente.  Então, o jeito seria misturar metais menos nobres na hora de cunhar as moedas, aumentando o volume de dinheiro disponível sem que houvesse necessidade de minerar-se mais prata.  Como as pessoas confiavam na moeda emitida pelo governo, a tática deu certo e, em sua próxima jogada política, Sólon criou a democracia.
Fato é que a base de nossa Economia é a fé, sendo muito tênue o equilíbrio quanto ao volume de dinheiro disponível; abrindo espaço para as mais sofisticadas e complexas teorias econômicas.


Até agora, a Economia baseou-se na prodigalidade: mais produtos, mais consumidores, mais, mais, mais.  O que não foi levado em conta, a partir da revolução industrial, é que este consumismo desenfreado cobraria seu preço e aí entra o ser humano, o único ente na cadeia da vida a produzir lixo.
Em 1802 atingimos a marca de 1 bilhão de pessoas no planeta.  Em 2050, seremos 10 bilhões.  Se China e Índia continuam a crescer às taxas atuais, como será a vida, em 2020?  Sessenta e cinco por cento da água na China está contaminada.  A foz do Ganges entupiu, com tanto lixo que recebe diariamente.  Diversas espécies estão ameaçadas, o Oceano Pacífico tem a grande mancha de lixo, com estimadas 150 milhões de toneladas de resíduos e o Atlântico também já conta com sua ilha de lixo.  A montanha mais alta do litoral leste dos EUA é formada pelo lixo do aterro Fresh Kills, em Staten Island.  Só nos EUA, cada cidadão é responsável pela deposição na Natureza de algo perto de quinhentas toneladas de lixo por ano.


Isso ocorre porque não computamos em nossos balanços o comprometimento dos recursos naturais.
Em seu livro A riqueza das Nações, de 1776, Adam Smith propõe o conceito de deseconomia como sendo o custo de nossos ciclos produtivos para a Natureza.  Desde então, surgiram inúmeras propostas de parametrização destes custos mas, devido à linearidade das abordagens, tais propostas se mostraram inadequadas, face a complexidade do mundo.


Duzentos e quarenta anos depois de Adam Smith, a ZerO2Nature chegou à monetização das deseconomias com uma pergunta muito simples:  Qual o cenário proposto para estabelecimento do custo deste ciclo produtivo para a Natureza?
A partir daí, o padrão ZerO2Nature desenvolveu o Potencial de Impacto Ambiental ou EIP na sigla em inglês, que permite monetizar toda e qualquer deseconomia dos ciclos produtivos antrópicos, dentro de 104 diferentes cenários.
Com este sistema, cria-se a DTUcoin, a primeira moeda verde do planeta, que abre um mercado de 50 trilhões de dólares por ano.
Quando surgiu, em 2008, o Bitcoin trouxe toda a novidade de uma moeda virtual.  A primeira transação feita em bitcoins foi a compra de uma pizza, por 50.000 bitcoins.  O valor atual desta pizza? US$26 milhões.  É isso mesmo: em 8 anos, o bitcoin valorizou 870.000 vezes.  A DTUcoin é um bitcoin verde.  Qual será seu valor em 8 anos?

 


Para saber mais sobre engenharia holística, soluções inspiradas na natureza, monetização de deseconomias, moedas virtuais, treinamentos ou incorporação do Big Data ao seu dia-a-dia, siga-nos nas redes sociais.